Currículos dus palestrantes e convidades do Santos Film Fest – edição especial online

Conheça o perfil e a trajetória profissional de todes us palestrantes e profissionais das atividades formativas desta edição.

| Confira a agenda de atividades formativas e como fazer a inscrição gratuita.

Adelia Sampaio: Mineira de Belo Horizonte e nascida em 1944, Adelia Sampaio certamente é figura seminal do cinema brasileiro. É uma apaixonada e capaz de nos despertar paixões: primeira cineasta negra do país, rompeu barreira graças ao talento, caráter, perseverança e seu olhar social e transgressor. Tudo isso num país machista e racista e, mais ainda: tomou suas atitudes durante os anos de chumbo da Ditadura Militar. A diretora é a homenageada do Santos Film Fest – Festival Internacional de Cinema de Santos – edição especial online, que acontece totalmente gratuito de 16 a 23 de março. A cineasta participará de uma live especial na abertura do evento, dia 16 de março, terça-feira, às 19h30, nas redes sociais do festival e no Youtube do Sesc Santos. Na ocasião, será exibido um vídeo retrospectiva de sua carreira e ela será entrevistada pela diretora do SFF, Paula Azenha, e pela jovem diretora santista Vitória Felipe. O bate-papo terá uma hora e meia de duração. Também será disponibilizado um e-book gratuito intitulado Adelia Sampaio: O Segredo da Rosa – o título do longa-metragem dirigido por Vanja Orico em 1974, cujo roteiro e a direção de produção levam a assinatura de Adélia  Na publicação  a diretora relembra, em primeira pessoa, sua trajetória de vida e carreira. Com 120 páginas e formato pocket (10 cm de largura por 15 cm de altura), o livro integra a Coleção Santos Film Fest (do selo CineZen Edições Literárias), que já lançou em edições anteriores os livros gratuitos Rubens Ewald Filho: Vida de Cinema (2018) e Grandes Interpretações do Cinema Brasileiro (2019), coletânea de textos de Waldemar Lopes, que retornam atualizados e disponibilizados gratuitamente. Os dois primeiros também ganharão tiragem impressa limitada para distribuição. Ainda na homenagem à Adelia, o Santos Film fest exibirá dois de seus mais importantes filmes: o curta Denúncia Vazia (1979) onde mirou o abandono na terceira idade e o longa Amor Maldito (1984) que expõe os preconceitos da sociedade e do sistema judiciário, ao mostrar o amor entre duas mulheres. Adelia não apenas sobreviveu como abriu caminhos, apontou direções, influenciou pessoas que enxergaram, nela, um espelho, uma representação. Como diretora, colocou os dedos nas feridas de uma sociedade desigual tal qual a nossa. Foi casada com o jornalista Pedro Porfírio (1943-2018), perseguido e preso pela Ditadura. Ao lado dele, teve Vladimir e Geórgia – ele, seguiu a profissão do pai, ela se enveredou pelo meio artístico como a mãe. A cineasta passou pela perda de seu primeiro filho, ainda durante a gestação, após uma abordagem policial violenta durante uma manifestação na Cinelândia, aos 18 anos. Firmou uma profícua parceria com a irmã, Eliana Cobbett, primeira produtora-executiva relevante no Brasil, responsável pelas produtoras Tabajara Filmes e Difilmes, que distribuiu, administrou, e captou recursos para filmes de Glauber Rocha, Luiz Carlos Barreto, Cacá Diegues, Júlio Bressane e Arnaldo Jabor, entre outros. Sua obra tem gerado, inclusive, produções acadêmicas.  

Ana Rita dos Santos Ferreira: Psicóloga clínica, atua na Saúde Mental no SUS, pesquisadora das questões de raça e gênero, pós-graduada em psicologia política pela USP, em Saúde Mental, Imigração e Interculturalidade pela UNIFESP e Mestre em Ciências pela USP.

Andrea Pasquini: é cineasta e há 25 anos dirige e produz filmes e conteúdo audiovisual. Realizou entre outros, o premiado curta-metragem A História Real (2001) e os documentários Os Melhores Anos de Nossas Vidas (premiado no Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade, 2003), Sempre no Meu Coração (premiado pelo concurso DocTV de 2006), ‘Fiel’ (finalista no Prêmio Sesi Cinema de 2009) e Homem Centenário (2010). Além de realizadora, ministra cursos de documentário e faz curadoria para diversos festivais.

Angela Zoé: diretora dos filmes Meu Nome é Jacque (2016), sobre a história e a vida de Jacqueline Rocha Côrtes, uma mulher transsexual portadora do vírus da aids; Henfil (2017), sobre vida e obra do cartunista, escritor, quadrinista Henfil (prêmio da crítica no Santos Film Fest 2018); Ele Era Assim: Ary Barroso (2019), história de um dos maiores compositores brasileiros com uma narrativa construída por meio de arquivos de áudio narrados pelo próprio artista, entremeando memórias de seu neto Márcio e regravações de suas composições por jovens talentos da MPB; e que prepara um filme sobre a cantora Alcione (2020), documentário inédito, elegante e intimista sobre a vida e obra de uma das maiores intérpretes brasileiras, sempre pontuado por interpretações que irão conduzir a cronologia da Dama do Samba. Angela foi produtora de Betinho: A Esperança Equilibrista (2015), sobre o Sociólogo e ativista, Herbert de Souza.

Barbara Farias: Bárbara Farias tem 44 anos, nasceu em Santos, é jornalista e radialista há 22 anos. Amante da Sétima Arte desde criança, é colunista de cinema há oito anos. Bárbara assinou a Coluna Cinema DL, no jornal Diário do Litoral, e a Coluna de Cinema, na Revista Mais Santos. Atualmente, produz e apresenta o canal Cinema Bárbaro, no Youtube (www.youtube.com/cinemab).

Camila Kater: diretora, roteirista e animadora. É bacharel em Midialogia pela Unicamp, com graduação sanduíche em Film and Television Production pela Anglia Ruskin University (Cambridge, Reino Unido). Camila é diretora, animadora e roteirista. Atuou em produções de stop-motion como animadora, diretora de arte e puppet maker em curtas como “The Apple Trial” (2013), “Flerte” (2015), “Indescritível” (em finalização); e como assistente de arte e de animação no longa “Bob Cuspe, nós não gostamos de gente” (em finalização) da Coala Filmes. É membro do Núcleo de Cinema de Animação de Campinas, onde atua como monitora de oficinas de animação; está como secretária da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) e co-fundadora/ coordenadora da LESMA (La Extraordinária Semana deMostras Animadas) que completou 4 edições na Unicamp, com o apoio de festivais como MONSTRA (Lisbon Animation Festival), ANIMAGE (Festival Internacional de Animação de Pernambuco) e StopTrik International Film Festival (Estônia, Polônia). Dirigiu, escreveu e animou o documentário animado CARNE (2019), que está qualificado para o Oscar 2021 e está na lista de finalistas para o Prêmio Goya 2021.

Celso Ronald: Doutorando e Mestre em Comunicação Audiovisual pela Universidade Anhembi Morumbi. Especialista no Ensino de Língua Portuguesa e Literatura pela UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Pós-graduado em Gestão Pública pela UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo e Especialista em Direito de Família e Sucessões pelo Damásio Educacional. Possui graduação em Letras – Português e Inglês e Respectivas Literaturas pelo Centro Universitário FIEO (2003). Graduado em Direito pela Falc (2017), advogado e ex-membro da Comissão Especial de Liberdade Religiosa da OAB – Osasco/SP. Tem experiência no ensino de Língua Portuguesa, Inglesa, Espanhola e Francesa. Lecionou na Rede Pública de Ensino do Estado de São Paulo por 8 anos; na rede Municipal de Ensino Osasco por 10 anos; nas escolas de idiomas CCAA por 16 anos e Wizard por 8 anos. Está no nível intermediário do curso de Libras – Língua Brasileira de Sinais; Foi Docente de Língua Inglesa na Escola de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Anhembi Morumbi.

Eduardo Rubi Cavalcanti: é professor no curso de Jornalismo e gestor de mídia da Universidade Católica de Santos. É articulista e crítico cultural do jornal A Tribuna de Santos.

Eduardo Ferreira: Cineasta, formado em comunicação social em Rádio e TV e em Artes Dramáticas. Participou de diversas oficinas dentre elas Residência Pontos MIS (2013), Dança na Tela com Jeannette Ginslov (Escócia), Estéticas Contemporâneas com Alberto Villareal (México) e Imersão Olho Urubu – Sesc TV. Realizou diversos videodanças e registros experimentais para teatro, dança e festivais, dentre eles A mulher peixe e o mar de desmemorias, do Coletivo Percutindo Mundos, Fuso 10 de Paulo Emílio Azevedo (Cia Gente), Projeto Velha Guarda – velha Guarda Pioneira X9 Santista e Balé da Cidade de Santos e a série De Improviso em parceria com o Sesc Santos. Participou de diversos festivais internacionais, dentre eles Mostra Internacional de Videodança 2016 e 2017, Veladas de Cyne e Dança do Chile, Mostra Internacional de Videodança Vertival, Cult Dance 2017, Festival Internacional de Danza para la Pantalla – Movimiento en Movimiento 2017 (México).

Jamer Guterres de Mello: Docente no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (PPGCOM-UAM). Doutor em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM-UFRGS). Atua como professor e pesquisador na área de Comunicação, com ênfase em Cinema e Audiovisual. Organizou o livro A(na)rqueologias das Mídias (Editora Appris, 2017). Membro do Conselho Deliberativo da Socine – Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, nas gestões 2013-2015 e 2017-2019. Foi integrante da comissão organizadora do Festival Cine Esquema Novo, realizado em Porto Alegre, em 2011 e 2013. Atualmente é coordenador do Seminário Temático Teoria de Cineastas, vinculado à Socine.

Jerusa Macedo: Formada em Comunicação Social e trabalha há quinze anos com produção de cinema (publicitário e longa-metragem). Há quatro anos gerencia a Kiwiii, banco de música brasileira, focado no mercado audiovisual.

Julia Katharine:  a primeira mulher transexual com um filme lançado em circuito comercial, com seu trabalho em Tea For Two. O curta conta a história de Silvia, uma cineasta que passa por um momento de crise e é surpreendida pela ex-esposa, Isabel. O reaparecimento do antigo amor entra em conflito com a recente presença de Isabela na vida de Silvia. Além do roteiro e direção, Julia atua na obra como a personagem Isabela. Lembro Mais dos Corvos é o longa que estrelou e roteirizou em parceria com o diretor Gustavo Vinagre. Por sua atuação no filme, a atriz recebeu na Mostra de Tiradentes de 2018 o troféu Helena Ignez, que é dedicado a mulheres atuantes em quaisquer funções criativas. O filme recebeu o Prêmio Humanitário no 4º Santos Film Fest – Festival Internacional de Cinema de Santos, em 2019. Julia esteve presente no festival para sessão dupla das duas produções. Foi homenageada e jurada na quinta edição do Santos Film Fest.

Julia Rezende: 'Cada mulher que dirige um filme abre espaço para outras' |  VEJA

Júlia Rezende: É filha do também diretor de cinema Sérgio Rezende e da produtora Mariza Leão. Formou-se em História pela PUC-Rio e estudou roteiro na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Começou a carreira como assistente de direção em programas de TV e filmes como Zuzu Angel (2006), de Sergio Rezende, e De Pernas pro Ar 1 e 2, de Roberto Santucci. Seu curta-metragem Nesta data querida foi eleito o melhor da categoria pelo júri popular do Festival Paulínia de Cinema de 2009. Seu primeiro longa como diretora, Meu Passado Me Condena, foi a terceira melhor bilheteria de filmes brasileiros em 2013, com 3,2 milhões de espectadores nas salas de cinema. Em 2015 lançou Ponte Aérea, romance com Caio Blat e Leticia Colin. Meu Passado Me Condena 2 chegou aos cinemas em julho de 2015 e repetiu o sucesso do primeiro filme. No ano seguinte lançou Um Namorado Para Minha Mulher, com Ingrid Guimarães, Domingos Montagner e Caco Ciocler, adaptação do filme argentino de mesmo nome. Em 25 de fevereiro de 2021, o filme Depois A Louca Sou Eu, com direção de Júlia Rezende, estreou nos cinemas. O filme conta a biografia da escritora Tati Bernardi.

Jovens Talentos do Audiovisual: Da Baixada Santista para o Mundo – Santos  Film Fest

Kamilli Semenov: Desde os 16 anos inserida no mercado de trabalho audiovisual, atua como produtora em Santos. Hoje, com 22 anos de idade e graduada em cinema, carrega experiências ministrando workshops, produzindo cobertura de eventos, campanhas publicitárias, curtas, médias e longas-metragens. Atuou 1ª assistente de direção em “SÓCRATES”, filme brasileiro que disputou vaga no Oscar 2020 e autora da websérie “SAMBAÊ”, projeto contemplado no 5º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes do Município de Santos.

Laura Loguercio Cánepa: é jornalista e pesquisadora de cinema. É Doutora em Multimeios pelo IAR-Unicamp (2008), Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP (2002) e graduada em Jornalismo pela FABICO-UFRGS (1996). Concluiu, em 2014, Pós-Doutorado no Departamento de Cinema, Televisão e Rádio da ECA-USP. Atualmente, atua como Coordenadora e Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi. É membro da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom) e da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE). Foi co-editora da Rebeca – Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, da SOCINE. É líder do Grupo de Pesquisa “Cinema expandido, da estereoscopia ao web footage: novos regimes de visualidade no século XXI”. É membro do Grupo de Pesquisa “História da Experimentação no Cinema e na Crítica”. No primeiro semestre de 2019, realizou estágio pós-doutoral (modalidade Visiting Research Fellow) na School of Languages, Cultures and Societies da Universidade de Leeds, sob a supervisão de Stephanie Dennison.

Liliam Tavares: Graduada em História pela Universidade Católica de Santos, sendo também uma apaixonada por cinema e pelo universo geek, Lilliam é criadora da página “Colecionismo Maravilha” (https://www.instagram.com/colecionismomaravilha/) no Instagram, onde compartilha fotos de sua coleção pessoal, composta por mais de 300 itens da Mulher Maravilha, personagem da qual é fã.

Liz Reis: Atriz indicada ao prêmio Mambembe, pós-graduada em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (USP). Como produtora-sócia da LEP Filmes, assinou diversos documentários, como “Santos de Todos os Gols” e “Onde a Moeda Cai em Pé”. Na TV, apresentou programas e atuou em novelas de diferentes emissoras.

Maristela Sanches Bizarro: Cofundadora da WIFT Brasil – Women in Film & Television Brasil, Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Literatura Brasileira, do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas (DLCV), da FFLCH/USP e estuda as personagens femininas no romance brasileiro da década de 30. Docente na Faculdade de Comunicação do FIAM FAAM Centro Universitário, a cineasta, com experiência na produção e direção de obras audiovisuais com ênfase no documentário, em 2011 dirigiu o média-metragem Imagem Mulher, focado na representação feminina na mídia.

Marcos Souza: Compositor de música para audiovisual e pianista, Marcos Souza produziu e idealizou o filme sobre sua família, seu pai Chico Mário e seus tios Henfil e Betinho: “3 Irmãos de Sangue”. Fez a direção musical do filme “Betinho – Uma esperança equilibrista” de Victor Lopez pela Documenta Filmes em 2015 e compôs a música para os filmes Henfil de Ângela Zoé e Angel Vianna de Cristina Leal, além de mais de 20 filmes. Foi Gerente de Produtos de rádio.

Nágila Guimaraes: co-fundadora da WIFT Brasi ( Women In Film & Television), empreendedora cultural, desde 2001, Nágila atua na produção de festivais como Sundance Film Festival (2002), Miami International Film Festival (2003-2008) e Abu Dhabi Film Festival (2008-2012). Cursou Economia na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Comércio Exterior na UCLA (Los Angeles) e Produção de Vídeo e Distribuição na New School For Social Research (Nova Iorque). Foi membra do Conselho Consultivo do Geena Davis Institute para a realização do simpósio Gender in Media no Brasil (2016). É também curadora e produtora de importantes mostras, como a 7ª Mostra Mundo Árabe de Cinema, Mostra de Cinema Árabe e Cinema Georgiano: Um Século de Filmes, além da Mostra Cinema Brasileiro, no Peru.

Ondina Clais: Aos 15 anos iniciou sua como bailarina clássica, na Ópera “O Guarani”, de Carlos Gomes. Atuou como modelo para revistas nacionais e estrangeiras. Aos 20 anos, inicia a carreira de atriz, juntando-se ao Grupo Macunaíma, do diretor teatral Antunes Filho, nas montagens “Nova Velha História”, “Paraíso Zona Norte” e “Toda Nudez SeráCastigada”, de Nelson Rodrigues. Em 2013, protagoniza a peça “A Dama do Mar”, de Henrik Ibsen, na primeira montagem do diretor norte-americano Bob Wilson. Foi indicada para o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante de 2013, pela Revista Aplausos. Atualmente atua na televisão e o cinema, participando da Terceira Temporada da “Série Sessão de Terapia”, no canal GNT, e da Primeira Temporada de “O Hipnotizador”, na HBO. No cinema, atuou em “Meu Amigo Hindu”, de Hector Babenco e “O Filme da Minha Vida”, do diretor Selton Mello. Seus dois últimos filmes são “Rio-Santos”, do diretor Klaus Mitteldorf, e “João”, filme que retrata a história do pianista João Carlos Martins. Em 2020 com a Companhia da Memória realizou o projeto “Monólogos” #fiqueemcasacomSesc com o solo “Katierina Ivanovna” transmitido ao vivo da sala de sua casa, e em parceria com o Sesc Pompéia o projeto “Desmontagem” que conta com dois documentários sobre a peça As três irmãs de Tchekov. Estreou a versão digital da peça “A semente da romã”, texto inédito de Luís Alberto de Abreu, com Sérgio Mamberti e Walderez de Barros, que integra a Pentalogia do Feminino, um conjunto de cinco peças, que propõe um recorte das obras escolhidas, partindo da perspectiva do feminino e a investigação da linhagem matrilinear. No final do ano foi contemplada com o prêmio Respirarte Funarte com seu solo Hipólita – rainha das Amazonas.

Paula Barreto: Filha dos produtores Lucy Barreto e Luiz Carlos Barreto e irmã dos cineastas Bruno Barreto e Fábio Barreto, nasceu no Rio de Janeiro e formou-se em Comunicação pela CUP (atual UniverCidade). No final dos anos 90, passou a se envolver mais nas duas produtoras da família, a L.C. Barreto e a Filmes do Equador. Com sua entrada, as empresas passaram a produzir também para TV, vídeo, DVD e Internet. Foi uma das responsáveis pelo processo de recuperação e digitalização de todos os filmes produzidos pela L.C. Barreto em seus mais de 40 anos de existência. A partir de 2002, passou a produzir diretamente filmes para cinema, se envolvendo em projetos como A paixão de Jacobina (2002), de Fábio Barreto, O caminho das nuvens (2003), de Vicente AmorimO casamento de Romeu e Julieta (2005), de Bruno Barreto, entre outros longas-metragens.

Paula Pretta: Atriz, cantora e Diretora de Elenco. inicia sua carreira de atriz/cantora e Compositora em 1989, mulher periférica , tem sua formação nas Oficinas Culturais do Estado de São Paulo e desde então, trabalha com um verdadeiro leque, da diversidade cultural. No cinema inicia sua trajetória em 1999, ao lado dos grandes diretores e produtoras tais como (Roberto Moreira/Anna Muylaert/Tata Amaral/Fernando Meireles, Lais Bodansky, entre outros). Fez parte do Departamento de Casting da Produtora O2 Filmes durante 10 anos.

Paulo Telles: é carioca criado no bairro boêmio da Lapa. Radialista formado pela Escola de Rádio do Rio de Janeiro. Locutor com Registro Profissional (DRT 21959/RJ), redator do Blog Filmes Antigos Club – A Nostalgia do Cinema e escritor. É autor do livro “Paladino do Oeste”, publicado pela Editora Estronho em 2018, escrito com Saulo Adami. Colunista de Cinema da “Nova Revista do Rádio” e produtor e apresentador do programa de Rádio-Web “Cine Vintage”, direcionado para as trilhas sonoras de cinema, levado ao ar todos os domingos, às dez da noite, pela Web Rádio Vintage. Estudante de Marketing pela Unigranrio (Santa Cruz da Serra/RJ). Link do blog http://articlesfilmesantigosclub.blogspot.com/.

Pepe Gomes: Mestre em tradução literária pela USP, tradutor público e intérprete comercial, professor universitário da UniSantos, coordenador dos cursos de Letras e de Tradução e Interpretação da UniSantos.

Rita Marques: Foi gerente geral do Centro de Documentação – CEDOC da TV GLOBO, onde colaborou com a pesquisa audiovisual para centenas de programas jornalísticos e séries de ficção, além da estreia da GloboNews em 1996. Também participou da criação e pesquisa do “Arquivo N” há 23 anos no ranking dos mais vistos da TV por assinatura. Hoje é responsável pela empresa de preservação, pesquisa audiovisual e curadoria de acervos “Garimpo”, prestando consultoria para a TV Cultura, onde também faz a representação no Comitê Executivo da Federação Internacional dos Arquivos de Televisão – FIAT / IFTA. Em parceria com a Documenta Filmes, colaborou na pesquisa dos filmes “BETINHO – UMA ESPERANÇA EQUILIBRISTA”, “HENFIL” e “O SAMBA É PRIMO DO JAZZ”.

Rogério Baraquet: Músico e produtor nascido em Santos/ SP. Iniciou sua carreira no circuito alternativo de rock paulista, tocando em locais como Lira Paulistana e Madame Satã. É um dos pioneiros da MPB eletrônica e, com esse trabalho, tem sua música divulgada na Europa e nos E.U.A. Teve composições finalistas de vários festivais nacionais. Compôs e produziu trilhas sonoras para teatro e rádio. Participou entre 2016 e 2019 do Conselho municipal de Cultura de São Vicente. Tem uma discografia de dez álbuns (incluindo participação em coletâneas) e desde 2017 coordena o Movimento Santo de Casa, que agrega bandas e artistas solo de música autoral da Baixada Santista. Já produziu diversos eventos culturais, entre eles “A Música da Alma” (2011), “Dia do Rock Santista” (2018) e o Festival Yoga Pé na Areia (2018/2019).

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é image-6.png

Rogério Ferraraz: doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em 2003. Foi pesquisador visitante na UCLA Los Angeles, em 2002. Foi secretário de redação da revista Imagens (Unicamp) e editor assistente da revista Galáxia (PUC/SP). Desde 2006, é professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi/SP, do qual foi coordenador entre fevereiro de 2010 e janeiro de 2014. Autor de diversos artigos científicos, resenhas e capítulos de livros, atua nas áreas de Comunicação e Artes, com ênfase em Cinema e Televisão.

Sérgio Rezende: Já em seu primeiro longa, Até a Última Gota, de 1980, recebeu o Prêmio Especial do júri no festival de Gramado e o prêmio de melhor documentário no festival de Manhein na Alemanha, além de uma menção honrosa no Festival de Havana. Seguiu com suas premiações em importantes festivais com seus filmes O Sonho Não Acabou e O Homem da Capa Preta, que conta a história de Tenório Cavalcanti, famoso advogado e político brasileiro. Este longa iniciaria uma trilogia de importantes figuras brasileiras, completada com Lamarca, filme sobre o revolucionário Carlos Lamarca, que foi o único filme gravado naquele ano, e foi um dos precursores do movimento conhecido como Retomada do Cinema Nacional, e encerrando com Mauá – O Imperador e o Rei, que narra a vida de Irineu Evangelista de Sousa, o Visconde de Mauá. Sua carreira atinge um novo patamar em 1997, com a direção de Guerra de Canudos, considerada a maior produção brasileira até então, além de receber a maior bilheteria no cinema brasileiro naquele ano. Sua filmografia segue impecável, com grandes obras como Zuzu Angel (2006) e Salve Geral (2009), recebendo premiações no Brasil e em festivais internacionais. Foi homenageado no Santos Film Fest em 2020.

Inscrições gratuitas abertas para oficinas formativas e palestras do 5º  Santos Film Fest – Santos Film Fest

Tamirys Ohanna: Atriz cubatense, Se formou pelo curso profissionalizante de atores do grupo Teatro do Kaos, patrocínio Petrobras. Cursou a Escola de Arte Dramática (EAD/USP).. Em Nova York fez aulas de dança na Broadway Dance Center. Além de atuar em várias peças teatrais no Brasil e no mundo, também está na série da Netflix 3%. Ela está no elenco da série televisiva Segunda Chamada e do elogiado filme ‘O homem cordial”, estrelado por Paulo Miklos.

Tuna Dwek recomenda série da Netflix que registra a velhice com maestria |  VEJA SÃO PAULO

Tuna Dwek – No cinema, foi premiada duas vezes no Los Angeles Brazilian Film Festival, considerado o maior festival de cinema Brasileiro nos Estados Unidos. Foi escolhida melhor atriz coadjuvante em A Grande Vitória (2013) e recebeu o prêmio Life Achievement Award (2017) pelo conjunto da obra. Ganhou ainda o prêmio de Melhor Atriz no Pink City International Short Film Festival, na Índia, pelo curta-metragem Escolhas (2017), drama sobre uma relação familiar conflituosa entre mãe e filha. Como escritora, produziu as biografias da atriz Denise Del Vecchio (1951) e as dos dramaturgos Maria Adelaide Amaral (1942) e Alcides Nogueira (1949). É também condecorada pela Ordem das Artes e Letras (2011), em Paris, com prêmio concedido pelo Ministério da Cultura da França, em reconhecimento a sua contribuição artística e literária. Poliglota, Tuna Dwek trabalha como intérprete e tradutora, acompanhando mais de 100 personalidades internacionais em visitas ao Brasil. A lista inclui Dalai Lama (1935), a atriz francesa Catherine Deneuve (1943), o cineasta Roman Polanski (1933) e o diretor de teatro Peter Brook (1925). A carreira de Tuna é marcada pela maneira como transita com facilidade por suportes e formatos, exercendo sua capacidade de executar atividades diversas, da tradução à interpretação no teatro, na televisão e no cinema.

Vitoria Felipe: Vitória Felipe, 22 anos, cursou cinema nas Oficinas Querô entre 2016 e 2017. Dirigiu em 2017 o curta-metragem ANA, que participou de Festivais e Mostras brasileiras, sendo premiado como melhor atriz, fotografia e roteiro pelo 11° Festival Curta Taquary (PE) e ganhador da menção honrosa pela TV Cultura no 29° Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – Kinoforum. Entre 2017 e 2018 estagiou como educadora em exposições de arte contemporânea na instituição Sesc Santos. Em 2019 fez assistência de produção no documentário Como ela faz?. Em 2020 fez assistência de direção no documentário Geni Guimarães. Atualmente está concluindo a graduação em Licenciatura em História pela Universidade Católica de Santos.

Waldemar Lopes: Artista plástico, professor e crítico de cinema. Anualmente realiza em Santos uma palestra beneficente sobre o Oscar, que se tornou tradicional na cidade – já foram 26 edições. Também já realizou encontros sobre cinema para a Universidade Católica de Santos, Universidade Monte Serrat, Secretaria de Cultura de Santos e Rotary. Escreve para o CineZen e o 50 Anos de Cinema. Cedeu seus acervos pessoais para exposições no Santos Film Fest – Festival Internacional de Cinema de Santos sobre Julie Andrews e Sonia Braga, atrizes das quais é o maior especialista no Brasil. Em 2019 lançou o uma coletânea de textos sobre grandes interpretações do cinema brasileiro. Ainda no Santos Film Fest, em 2018, realizou oficina sobre a histórias dos filmes musicais. É colaborador dos sites www.cinezencultural.com.br e www.historiasdocinema.com.

Wanderley Augusto Camargo: Militante na área acadêmica como professor-coordenador do curso de Audiovisual da Universidade Católica de Santos, Wanderley Camargo iniciou como freelancer em fotografia para a Editora Abril, depois migrou para a publicidade. Já dirigiu conteúdos audiovisuais publicitários e institucionais, além de programas de televisão para emissoras como Manchete e Rede Record. Hoje é diretor da produtora Flip Filmes.

OS DIRETORES DO SANTOS FILM FEST

Paula Azenha – Produtora cultural, fotógrafa, Mestranda em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal, MG). Possui graduação em Naturologia Aplicada pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2009). Diretora do Santos Film Fest – Festival Internacinoal de Cinema de Santos, atuou na produção de eventos como Mostra Cine Brasil Cidadania, CulturalMente Santista – Fórum Cultural e Criativo de Santos, PalafitaCon, Nerd Cine Fest Santos, CineZen Convida e dezenas de pré-estreias no Cine Roxy, quando também fez a cobertura fotográfica. Também é produtora do canal Histórias do Cinema, no Youtube.

André Azenha – Doutorando em Comunicação Audiovisual pela Universidade Anhembi Morumbi, onde também fez o Mestrado.  Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Editor dos sites www.historiasdocinema.com e www.cinezencultural.com.br. Autor dos livros Batman: A Série Animada – Uma Revolução dos Heróis na TV (editora Amavisse, 2020), a partir da dissertação de mestrado O Expressionismo alemão e o noir em Batman: A Série Animada, A Era dos Boçais (2021, de poemas, independente), Histórias: Batman e Superman no Cinema (2016, primeira edição independente e segunda pela editora Instituto HQ), Adelia Sampaio: O Segredo da Rosa (2021) e Rubens Ewald Filho: Vida de Cinema! (2018 e segunda edição em 2021), ambos pela CineZen Edições Literárias e distribuídos gratuitamente na Coleção Santos Film Fest, e de Poesia a quatro Mãos (2008, de poemas, em parceria com Regina Azenha). Criador e coordenador do Santos Film Fest – Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista – Fórum Cultural de Santos (ambos eventos presentes no calendário oficial da cidade) e PalafitaCon. Integrou o projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos.  Colaborou com textos sobre cinema e música para revistas, jornais e sites de Santos, São Paulo, Limeira, Maceió e Rio de Janeiro. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos.  Fez participações comentando cinema na TV Tribuna (afiliada Globo), TV Santa Cecília, etc. Ministra e ministrou cursos, palestras e oficinas sobre cinema, história do cinema e crítica de cinema em espaços como Sesc Santos, Sesc Belenzinho, Unisanta, Unisantos, Unimonte, Instituto HQ (São Paulo), Liceu Santista, Unifesp, entre outros lugares. Organizou exposições sobre Sonia Braga, Julie Andrews, Batman, Superman, filmes infantis, e diversos temas. Realizou o Cine Comunidade, projeto de cinema itinerante que percorreu escolas públicas, creches, asilos, entidades de bairro, associações e ONGs de Santos em 102 sessões de filmes seguidas por bate-papos com o objetivo de formar público para cinema e instigar um olha mais crítico por parte do espectador a partir dos filmes. Assessor de imprensa com experiência de 15 anos na área. Trabalhou cinco anos em agências de comunicação de São Paulo (Cia. da Informação, Blue Comunicação e Communica Brasil) atendendo clientes das áreas de tecnologia da informação, artes, saúde, terceiro setor, transporte de cargas pesadas, cosméticos, etc.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: